O MUNDO ESPIRITUAL VISTO 100 ANOS ANTES DE KARDEC.

  • 28/02
  • Crônicas
  • Nelson Moraes

Emanuel Swedenborg nasceu em Stockholm, em 1688, e morreu em Londres, em 1772, com a idade de 84 anos. Era notável em todas as ciências, e sobretudo na teologia, na mecânica, na física e na metalurgia. Sua prudência, sua sabedoria, sua modéstia e sua simplicidade valeram-lhe a alta reputação da qual goza ainda hoje. Os reis o chamaram em seus conselhos. Em 1716, Charles XII nomeou-o assessor ao Colégio metálico de Stockholm; a rainha Ulrique tornou-o Nobre, e ele ocupou os postos mais honrosos com distinção até 1743, época em que teve sua primeira revelação do mundo invisível.
Embora os fenômenos vividos por ele fossem relatados sob a influência da sua crença nos escritos bíblicos, percebe-se a veracidade dos fatos vividos por esse surpreendente personagem mais de 100 anos antes do estabelecimento da Codificação Espírita.
Usando a formatação bíblica, descreveu as zonas de sofrimento como sendo o inferno e as zonas felizes como Céu, e os espíritos superiores como Anjos e os inferiores como demônios, mas os reconheceu como espíritos que viveram na Terra.
Segundo suas experiências fora do corpo ele afirma ter observado que o outro mundo, para onde vamos após a morte, consiste de várias esferas, representando outros tantos graus de Luminosidade e de felicidade; cada um de nós irá para aquela a que se adapta a nossa condição espiritual. Somos julgados automaticamente, por uma lei espiritual das similitudes; o resultado é determinado pelo resultado global de nossa vida, de modo que a absolvição ou o arrependimento no leito de morte têm pouco proveito.
Nessas esferas verificou que o cenário e as condições deste mundo eram reproduzidas fielmente, do mesmo modo que a estrutura da sociedade. Viu casas onde viviam famílias, templos onde praticavam o culto, auditórios onde se reuniam para fins sociais, palácios onde deviam morar os chefes.
A morte era suave, dada a presença de seres celestiais que ajudavam os recém-chegados na sua nova existência. Esses recém-vindos passavam imediatamente por um período de absoluto repouso. Reconquistavam a consciência em poucos dias, segundo a nossa contagem.
Havia anjos e demônios, mas não eram de ordem diversa da nossa: eram seres humanos, que tinham vivido na Terra e que ou eram almas retardatárias, como demônios, ou altamente desenvolvidas, como anjos.
O homem nada perde pela morte: sob todos os pontos de vista é ainda um homem, conquanto mais perfeito do que quando na matéria. Leva consigo não só as suas forças, mas os seus hábitos mentais adquiridos, as suas preocupações e os seus preconceitos.
Não havia penas eternas. Os que se achavam nos infernos podiam trabalhar para a sua saída, desde que sentissem vontade. Os que se achavam no céu não tinham lugar permanente: trabalhavam por uma posição mais elevada.
Havia o casamento sob a forma de união espiritual no mundo próximo, onde um homem e uma mulher constituíam uma unidade completa.
Não havia detalhes insignificantes para a sua observação no mundo espiritual. Fala da existência da arquitetura, do artesanato, das flores, dos frutos, dos bordados, da arte, da música, da literatura, da ciência, das escolas, dos museus, das academias, das bibliotecas e dos esportes.
Os que saíram deste mundo velhos, decrépitos, doentes, ou deformados, recuperavam a mocidade e, gradativamente, o completo vigor. Os casais continuavam juntos, se os seus sentimentos recíprocos os atraíam. Caso contrário, era desfeita a união. “Dois amantes verdadeiros não são separados pela morte, de vez que o Espírito do morto habita com o do sobrevivente, até à morte deste último, quando então se encontram e se unem, amando-se mais ternamente do que antes”.
Apesar do renome e dos privilégios de que desfrutava junto a sociedade contemporânea, Swedenborg teve a coragem de publicar suas experiências transcendentes, mesmo sabendo que elas feriam velhos conceitos religiosos predominantes na sua época.
Essas experiências vividas e relatadas por um leigo, no período em que o Espiritismo ainda não havia sido estabelecido, se ajustam e confirmam as revelações dos espíritos superiores codificadas por Kardec.
O mais interessante nas suas observações sobre a vida após a morte é que ela é rica de detalhes, o que contribui para ampliar nossa visão sobre certas características do mundo espiritual conhecidas até agora. Revelações que vão além das Colônias Espirituais preconizadas na maioria das obras psicografadas.
As várias esferas de luminosidade e felicidade a que se refere Swedenborg, e que ele denomina como o céu, são os planos vibratórios que transcendem às zonas umbralinas onde se situa a Colônia Nosso Lar. Verdadeiros mundos paralelos aglutinando as consciências afins formando um todo imensurável com as características aperfeiçoadas dos mundos físicos a que estão vinculados.

 

Bibliografia: “O Céu e o Inferno” de Emmanuel Swedenborg - (O Céu, e suas maravilhas, e o Inferno, segundo o que foi ouvido e visto). Traduzido pelo Sr. Levindo Castro de La Fayette. Publicado no Rio de Janeiro em 1920.

Nelson Moraes


Fale Conosco

contato@tvpaz.com.br

Amar, Perdoar e Servir